quarta-feira, 2 de março de 2011

História do Arrocha

“Arrocha” é uma expressão, usada por populares quando querem dizer, APERTA FORTE ou então ABRAÇA FORTE.
Na Bahia, os baianos tem por costume as festas diariamente. Tudo no estado é motivo de festa e celebração. E sempre estão criando novidades dentro destas festas, novos ritmos e coreografias.
No caso do ARROCHA, esta expressão era usada por um cantor “PABLO” (é desconhecida sua biografia completa), que quando estava em shows, gritava em estribilho ARROCHA!!!, isto feito de uma maneira muito peculiar.

Leia mais sobre a História do ARROCHA, que de expressão virou estilo musical, em Candeias na Bahia, precisamente no recôncavo baiano, distante da capital baiana 42 kms.

A história:

O Arrocha é um ritmo musical originário da Bahia ele veio proveniente da seresta, influenciado pela música brega e o estilo romântico, com modificações que o tornaram, segundo seus adeptos, mais sensual. Estilo musical originário da Bahia, nasceu no Distrito de Caroba na cidade de Candeias. Não é necessário ser tocado por uma banda completa. Normalmente são usados: um teclado arranjador, um saxofone e uma guitarra.
O arrocha que tem arrastado multidões reinventou antigos ritmos, com uma roupagem mais, digamos, moderna. É uma reinvenção da música brega, da seresta, do estilo romântico.
A dança, de embalo romântico, segue os mesmos passos da axé music, do samba, do samba reggae: foram criados pelo povo e são a cara da Bahia. O percussor do Arrocha foi o cantor Pablo (hoje carreira solo junto ao Grupo Arrocha), ele durante o seus shows sempre pronunciava a palavra "arrocha","arrocha","arrocha"... junto ao grupo Asas Livres, onde o nome pegou e identifica esse ritmo musical.
O estilo conquistou público de classes sociais variadas, adolescentes, jovens e pessoas de mais idade.
Trata-se de um movimento social focado nas classes inferiores. Assim como no Rio, os bailes de Arrocha acontecem geralmente em clubes sociais de bairros mais humildes de Salvador e das cidades do interior da Bahia e de outros estados do nordeste. Atualmente esse movimento começa a se espalhar também para o centro-sul do Brasil.
Por tratar-se de um estilo musical apreciado pela população da periferia, começou logo a ser recriminado pela parte elitizada da sociedade, que marginalizou o Arrocha rebaixando o ritmo/movimento restrito ao povo "ignorante das feiras populares". Esse foi o começo do Arrocha. Com sua popularização e, principalmente após um grande canal de TV do estado da Bahia ter realizado um festival nominado "Reino do Arrocha", no Parque de Exposições de Salvador, muitas emissoras de rádio chamadas "de elite" passaram a incluir em suas programações a "nova onda", como também é conhecido o ritmo musical.
Muitos cantores se destacaram cantando Arrocha, como Pablo & Grupo Arrocha, Nara Costa , Silvano Salles, Márcio Moreno, Asas Livres, Grupo Arrocha, Tayrone Cigano, Beto Botho, Nira Guerreira, Latitude 10, Bonde do Maluco, Trio da Huanna, entre outros.
Hoje, assim também como o Funk no Rio, o Arrocha já conseguiu mais espaço na mídia e vem ganhando mais adeptos em outras classes sociais principalmente por se tratar de um produto que vende e que faz muito sucesso.

História de Pablo
(é desconhecida a biografia completa deste cantor)

O destino de Pablo sempre esteve diretamente ligado à música, quando ainda era uma criança, aos 6 anos de idade, começou a cantar na noite ao lado do seu pai em Candeias-BA. Tempos depois a sua família mudou para a cidade de Lagarto-SE e descontente com a mudança, aos 13 anos, Pablo saiu de casa com a desculpa que visitaria sua irmã em Candeias e nunca mais voltou.


Chegando à Candeias, encontrou com um amigo que o convidou para cantar enquanto ele tocava teclado, e nos bares da vida, ele conseguiu se manter sozinho.Tempos depois o seu companheiro mudou para São Paulo e ele estava mais uma vez sozinho e sem trabalho.


Sem o parceiro e precisando se manter, o seu sonho musical ficou estacionado, até porque ele precisava de dinheiro para se manter e naquele momento, sem o tecladista não teria como continuar a cantar. E foi com uma caixinha de isopor, cheia de picolé, que voltou a ganhar dinheiro, quando o picolé não dava retorno era na feira que ele aumentava a sua renda, vendendo frutas e verduras. Apesar de ter dado um tempo na música e das grandes dificuldades enfrentadas, sempre se manteve honesto e fiel aos ensinamentos da sua querida mãe, ela que era a grande saudade que carregava no coração.


Aos 15 anos, um convite mudaria a sua vida, a Banda Asas Livres precisava de um novo cantor e Pablo foi chamado para compor esta equipe e como sua vida sempre foi à música, aceitou o convite prontamente. Em um ano de carreira a banda Asas Livres estourou e foi considerado um fenômeno, vendendo mais de um milhão de cópias de CDs, e com apenas uma palavra, Pablo, criou um dos movimentos mais populares do Brasil, o ARROCHA.


Em 2003, o Contrato com a Banda asas Livres venceu e Pablo foi convidado para ser sócio de um novo projeto. E foi no Grupo Arrocha que o sucesso chegou às telinhas do Domingão do Faustão, na rede Globo, trazendo repercussão nacional ao movimento do ARRCHA, e também gravou o primeiro DVD, em Salvador, um sucesso absoluto. Depois de 4 anos, alguns reajustes foram feitos e o nome da Banda passa por uma mudança de “Grupo Arrocha” para “PABLO & Grupo Arrocha”, onde o seu nome passa a ser trabalhado sem desvincular da banda e do movimento.

Com 10 anos de carreira profissional, 9 CDs e 3 DVDs gravados; hoje, começa mais uma nova jornada em sua trajetória profissional, com produtora independente, Pablo lança o seu primeiro CD com carreira solo, que agora passa a chamar “PABLO a voz romântica”. O novo trabalho mantém o ritmo romântico e a pegada dançante e sensual do ARROOOOOOOCHA!










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário